Scuderia Ferrari Motociclistica

Não, a Ferrari não correrá na MotoGP. Mas por um breve período de dois anos (1932-34), il signore Enzo Ferrari, colocava algumas motocas Norton e Rudge & Withworth nas competições européias, tendo alguns resultados razóaveis para o porte da equipe na época.

 

Muitos sabem que pela Ferrari já correram pilotos que fizeram história nas duas rodas como John Surtees, Tazio Nuvolari e Piero Taruffi. Mas a Ferrari na época que era equipe privada (antes de se associar à Alfa Romeo e começar a se tornar o que é hoje) teve uma breve passagem pelo motociclismo, onde ganhou 3 títulos e venceu 44 corridas correndo em várias categorias, de 175 até 500 cilindradas. Inclusie vencendo a Targa Florio com Giordano Aldrighetti na 500 e Aldo Pigorini na 350 em 1934, corrida que só voltaram a vencer 1948, já com carros. O truque era engenhoso, fornecia equipamento, logísitca, manutenção e pagavam a inscrição!

Naquela época, o senso comum era o seguinte: as corridas de moto serviam para formar os pilotos, e a pequena equipe de Enzo Ferrari embora estivesse responsável pela representação da Alfa Romeo nos Grand Prix, decidiu investir nas motos. Eles compraram um punhados de motos Norton International e Rudge & Withworth TT Replica para competirem. Ma perchè cazzo non optare per macchini italiani? Simples! A Rudge & Withworth criou o sistema de cubo rápido, que depois foi copiado por Carlo Borrani que as fabricou na Itália e logo foi popularizada por TODAS as marcas que competiam…

A utilização de maquinário não-italiano chocou a nação, mas a ferrari não fabricava nada (na época), então não era tão ultrajante assim, e as Benelli, Moto Guzzi, e Gilera reinavam absolutas. Mas Enzo era esperto, não demorou muito e compraram uma Norton International de corrida, levaram para Modena (antiga sede da Equipe) e através de engenharia reversa em conjunto com uma pequena fabricante de motos local, tentaram copiar os aspectos positivos das Norton. Não deu certo, e Enzo abandonou a ideia.


A equipe motociclistica da Ferrari em 1932: (1) Mauro Ghersi ao lado de Enzo Ferrari; (2) Franco Severi; (3) Giordano Aldrighetti

A ideia de ter uma equipe em categorias tão distintas (automobilismo e motociclismo) parece ousada, e teria dado certo pra Ferrari. Mas Enzo não deu tanta importância pra ela, os pilotos top não tinham salários mais altos (e foram embora por melhores porpostas da concorrência) e as TT Replica, que passaram a ser a base da equipe com o tempo não eram mais a cereja do bolo das motos da época, e em 1934, Il riparto motociclistico foi encerrado.

 

Fontes: Modelfoxbrianza, The Vintagent

Deixe uma resposta