Pilotos lendários : Motociclismo

Há um tempo venho usado essa seção pra listar 15 coisas com certa relevância…agora vamos tornar as coisas mais interessantes! Inicialmente seria uma lista dos 15 pilotos mais relevantes do esporte a motor, mas acabei separando por modalidades.

E aqui está a lista dos 15 maiores pilotos de motociclismo em várias épocas

 

Eddie Lawson

“Não importa com o quê você corra, Eddie Lawson pode te ganhar com um cortador de grama”, uma frase que define bem Steady Eddie, piloto americano que com um estilo extremamente limpo e preciso, ascendeu rápido para a MotoGP em 1983 convidado pela Yamaha para pilotar ao lado de Kenny Roberts. Já no ano seguinte foi campeão pela primeira vez com a Yamaha, depois em 1986 e 1988. Em 1989, mudou pra Honda, onde se tornou o primeiro piloto da MotoGP a ganhar dois títulos consecutivos com marcas diferentes. Depois de se aposentar em 1992, tentou a sorte com monopostos, mas sem sucesso. Atualmente corre de superkart com o amigo e rival Wayne Rainey.

 

Randy Mamola

Ao contrário da maioria dos pilotos da lista, Randy não foi campeão da MotoGP. Assim como Renzo Pasolini, tinha um estilo arrojado ao extremo. Mas isso atrapalhava um pouco seus resultados. No GP da França de 1986, ao tentar se aproximar de Waine Rainey, Mamola abriu uma grande vantagem pro terceiro colocado, e pra alegria da galera, fez um front wheelie. Mas um fotógrafo capturou a cena e acabou sendo demitido da equipe de Kenny Roberts pela façanha, sendo readmitido depois. foi vice-campeão quatro vezes (1980,1981,1984 e 1987)

Valentino Rossi

The Doctor foi o divisor de águas na MotoGP, começou a seguir os passos do pai Graziano Rossi na MotoGP em 1996, e de lá até hoje vem ampliando marcas e estabelecendo recordes. Começou pela Aprilia na 125cc sendo campeão no ano seguinte; a mesma coisa na 250cc em 1998 e 1999. Em 2000 chega na 500cc. Onde graças ao estilo espalhafatoso de suas comemorações (algumas surreais) e habilidade, se torna o showman da categoria. Em 2005 iguala o feito de Doohan como pentacampeão consecutivo, e após os títulos de 2008 e 2009, se igualou à Giacomo Agostini como heptacampeão e somente a 17 vitórias do recorde de 122 vitórias de Ago na MotoGP

Michael Doohan

Mick teve um início promissor, começou na Honda em 1989. Em 1991, começava a ganhar provas, e em pouco tempo dava sinais de que o título estaria próximo. Mas, em 1992, durante os treinos pra GP da Holanda, sofre um sério acidente que resultou em complicações na perna direita o afastando das competições por cerca de 8 meses. 1993 foi um ano de recuperação, literalmente. Doohan se dedicou a recuperar seu ritmo de corrida e se recuperar dos ferimentos. No ano seguinte, inicia a sua sequencia de cinco títulos consecutivos (1994-1998). Sendo que em 1998, ele simplesmente ganhou 12 das 15 corridas da temporada. Após um acidente onde quebrou novamente a perna, nos treinos do GP da Espanha de 1999, Doohan anuncia sua saída do mundial.

Freddie Spencer

Fast Freddie ganhou notoriedade no U.S. versus Britain Trans-Atlantic Match de 1980, ao derrotar Kenny Roberts e Barry Sheene na competição. Com isso, chamou a atenção da Honda que o chamou pra ajudar a desenvolver suas NR500 e NS500. Em 1983 ganhou o mundial na 500cc numa disputa acirrada contra Kenny Roberts. Em 1985, Spencer ganha o mundial na 250cc e 500cc, mas com isso também ganha problemas no pulso que praticamente acabaram com sua competitividade. Se aposentou em 1988 pela porta dos fundos, tentnado retornar timidamente em 1989 e 1993…uma pena =/

Giacomo Agostini

Agostini começou a correr escondido do pai, um rico empresário italiano. Mas após o velho se convencer de que o garoto era bom, passou a auxiliá-lo. Giacomo então na Morini, conquistou o campeonato italiano de 175cc. Foi seu passaporte para se tornar o piloto principal da marca. Em 1964, é campeão italiano de 350cc e chama a atenção de Conde Agusta, que o contrata e dá início a uma das maiores dinastias da MotoGP. No final de 1965, Mike Hailwood sai da MV Agusta e vai pra Honda, deixando Agostini no centro das atenções. Ago então, foi campeão mundial sete vezes consecutivas tanto na 350 quanto na 500cc (350cc – 1968-1974; 500cc – 1966-1972). Em 1974, Agostini vai pra Yamaha onde ganha o título da 350cc, o da 500cc fica pro ano seguinte.

Mike Hailwood

Mike, the Bike tinhna um estilo extremamente fluído de pilotar. Não se fundia com a moto, a moto era parte dele. Começou a correr pela iniciante Honda em 1961, dois anos depois era campeão mundial das 250cc. No ano seguinte vai pra MV Agusta, onde ganha 4 títulos consecutivos na 500cc (1962-1965). Após desentendimentos com o Conde Domenico Agusta, Hailwood retorna pra Honda, onde ganha mais dois títulos tanto na 250cc quanto na 350cc (1966 e 1967). Em 1968, após a Honda decidir sair do Mundial, paga a Hailwood 50.000 libras para ele não correr por outra equipe senão a Honda. Sem opções interessantes, Hailwood segue para os monopostos.

Jarno Saarinen

Jarno teve uma carreira meteórica, como Henri Toivonen no WRC e Stefan Bellof no WSC. Em 1970 estréia na 250cc, terminando em quarto lugar, perdendo as três últimas provas por causa da faculdade de engenharia. No ano seguinte, ganha suas primeiras provas. Em 1972, é convidado pela Yamaha para correr com as TD3 e TR3, se sagrando camepão daquele ano na 250cc e sendo vice na 350cc, dando trabalho a Agostini. 1973 seria o grande ano pra Saarinen, na 500cc, poderia brigar de igual pra igual com Giacomo Agostini e Phill Read. Mas, infelizmente falece num acidente grave no GP da Italia daquele ano, junto com Renzo Pasolini.

Kenny Roberts

Kenny não dava a mínima pra MotoGP, até Barry Sheene falar que ele não era ameaça…aí a coisa mudou de figura, isso o motivou a ir com tudo pro velho continente, e em 1978 se sagrou o primeiro americano campeão mundial na 500cc. Em 1979 além do título, Roberts tomou a liderança dos pilotos numa ameaça de boicote à FIM por melhores condições de segurança, ameaçando-os de criarem uma liga paralela. De fato a criaram, mas devido a dificuldades para conseguirem montar um calendário não deu certo. Em 1980, a equipe de Roberts passou a ser a representante oficial da Yamaha na MotoGP, e a concorrência da Suzuki foi forte. Nesse ano, Roberts foi campeão basicamente pela pontuação que conseguiu, pois teve muitos problemas, além de ferimentos dos seus rivais diretos. Em 1983, o ano de sua aposentadoria, perde o título numa disputa acirrada com Freddie Spencer, mas vence a corrida.

Phill Read

Phill Read foi o primeiro piloto a ser campeão com a Yamaha, em 1964. Em 1965 é campeão novamente das 250cc. Em 1968 conquista o título da 125 e 250cc contrariando a vontade da Yamaha, que queria Read como campeão da 125 e Bill Ivy campeão nas 250cc. Depois disso Phill foi expulso da Yamaha oficial, seguindo a carreira em motos privadas sendo campeão da 250 mais uma vez em 1971. Depois segue pras categorias maiores, 350 e 500cc onde é campeão da 500 duas vezes em 1973 e 1974 pela MV Agusta.

Wayne Rainey

Wayne seguiu o caminho padrão dos pilotos americanos da época, dirt track – AMA – MotoGP, começou sendo companheiro de equipe de Eddie Lawson, depois tentou a sorte em 1984 sem sucesso na MotoGP, retornando pros EUA no ano seguinte, onde encontrou seu principal rival, Kevin Schwantz. Em 1988, Rainey retorna à MotoGP, e Schwantz segue o mesmo caminho, começando uma batalha feroz. Wayne consegue 3 títulos consecutivos (1990, 1991 e 1992), mas quando dominava a temporada de 1993, sofre um trágico acidente no GP da Itália que o deixou paraplégico. Nesse ano o título ficou com seu rival. Mesmo paralisado do peito pra baixo, Rainey se recusou a parar de pilotar, correndo até hoje com superkart adaptado.

Barry Sheene

O inglês Barry Sheene, chegou cedo ao mundial e foi conquistando bons resultados, no seu segundo ano foi vice na 125cc, e em 1973 foi campeão da 750cc. de 1974 até 1984 correu nas 500cc, sendo bicampeão pela Suzuki em 1976 e 1977. Em 1980, depois de deixar a Suzuki, pilota uma Yamaha privada, e no ano seguinte, vai pra equipe de fábrica correr ao lado de Kenny Roberts. Ironicamente, o campeonato e vice foram pra dupla da Suzuki (Marco Lucchinelli e Randy Mamola). Em 1982, sofre um acidente que o fez deixar de ser tão competitivo quanto antes, e em 1984 se aposenta.

Piero Taruffi

Piero teve uma passagem breve pelo motociclismo, como a maioria dos pilotos da era antiga, iniciou com motos e depois passou para os carros. Mas na sua época de duas rodas, Taruffi foi campeão europeu de 500cc de 1932 e recordista de velocidade

Renzo Pasolini

Paso era uma figura interessante, começou a correr de motos na mesma época em que começou a lutar boxe. Enquanto Giacomo Agostini era o cara a ser batido, Pasolini mantinha o mesmo pace de Ago, mas com um estilo totalmente diferente.
Renzo era rápido, logo na sua estréia chegou em duas vezes em primeiro na frente de Giacomo Agostini, iniciando uma rivalidade histórica. Mais tarde, Paso topou com outra lenda…Mike Hailwood! Mas a promissora carreira do piloto festeiro foi curta, Na corrida da 250cc do Grande Prêmio de Monza de 1973, Paso perde o controle ao passar por uma poça de óleo e cai, Saarinen que vinha logo atrás também cai dando seqüência a um acidente monstro, resultando na morte desses dois pilotos.

Wal H. Handley

Obscuro para a maioria, Walter Leslie Handley, um humilde mensageiro da OK-Supreme, começou a correr logo na Lightweight TT, da mítica prova da Ilha de Man. Graças ao seu erro de iniciante, começou a correr o trajeto na contra-mão! sendo parado por um fiscal na Governor`s Bridge, e taxado de piada de Brimingham. Risada dada, o cara na mesma prova, apenas na estréia, marcou a volta mais rápida da corrida com média de aprox. 82 km/h. Depois dessa, já não zombavam mais dele! =P Em 1932, após um acidente na TT, “batiza” uma das curvas da ilha de Handley’s Corner. Sobre títulos, Handley foi tricampeão europeu (500cc em 1928 e 350 em 1928 e 1935) e venceu quatro vezes a Tourist Trophy (125 e 350cc em 1925, 250cc em 1927 e 500 em 1930)

Deixe uma resposta