Pilotos lendários : Motociclismo #2

Como a primeira lista não foi suficiente, acabamos criando outra de lendas das duas rodas

Wayne Gardner

O Wollongong Whiz, foi o primeiro aussie a vencer a MotoGP em 1987. Se aposentou das motos em 1992, continuando como mentor de alguns pilotos novos. No mesmo ano, começou a correr de turismo na V8 Supercars, onde correu até 2002. Além de ter corrido no JGTC entre 1996 e 2002 pela TOM’S com um Supra oficial.


Kevin Schwantz

Kevin Schwantz apareceu no período mais fértil da MotoGP, com Lawson, Mamola, Doohan, Rainey, Gardner, etc. Seu estilo “do or die” fazia com que ele vencer tanto quanto se acidentava. Sua popularidade era tão grande, que quando se aposentou da MotoGP, a FIM retirou também o seu tradicional número 34 das listas de inscrições.

Johnny Cecotto

O venezuelano teve uma ascensão meteórica na MotoGP. Logo na estréia já chegou ganhando na 250cc e 350cc. E, no final do ano, foi campeão da 350cc em cima de Agostini, que havia sido campeão no ano anterior (1974). Mas após uma série de acidentes em 1977, impediram de conquistar mais títulos. Seu último foi o da Formula 750 em 1978. A partir de 1980, troca as motos pelos carros, com passagens em várias categorias de monopostos e turismo.

John Surtees

Começou a carreira dando calor na estrela da Norton, o grande Duke. Isso rendeu um convite da marca para correr, mas problemas financeiros na marca acabaram levando John para a MV Agusta, onde se firmou como lenda das motos. No seu primeiro ano na marca italiana, em 1956, foi campeão da 500cc. Mas entre 1958 e 1960 ganhou praticamente todas as corridas que disputou, sendo tricampeão consecutivo da 350cc e 500cc. Além de ser o único piloto campeão mundial em duas e quatro rodas. 

Adu Celso

Adu Celso, foi o responsável por botar o Brasil na MotoGP, chegou do nada com a cara e a coragem foi pra Europa correr no mundial. Em 3 anos na categoria, 1972 e 1975. Andou bem, tendo mais destaque na 350cc, onde conseguiu a primeira vitória de um brasileiro na MotoGP, no GP da Espanha de 1973. Tinha futuro, mas no ano seguinte sofre um acidente sério durante uma viagem, quebrando as duas pernas e que compromete sua carreira.

Alexandre Barros

Alex Barros seguiu os passos do Índio na MotoGP, e vinte anos depois da única vitória de Adu Celso, em 1993, conquista sua primeira vitória, também na Espanha. Mas ao contrário do Índio, Alex teve uma carreira longa na categoria, de 1990 até 2005 e retornando em 2007, seu último ano após um ano (2006) na Superbike.

Tazio Nuvolari

Nuvolari teve que esperar o final da Primeira Guerra Mundial para poder começar sua carreira de piloto, e em 1920, começa a correr tanto com motos quanto com carros. Em 1925 vei o título de campeão europeu das 350cc. A partir da década de 1930, Tazio muda para os carros, se sagrando um dos melhores pilotos de Grand Prix. Aliás, um dos melhores de todos os tempos.

Jim Redman

Redman logo no começo da carreira em 1959, chamou a atenção da Honda, que o contratou, e onde ficou até se aposentar em 1966. Ganhou duas vezes na 250cc (1962 e 1963) e duas na 350cc(1962 e 1965). Em 1964, no GP da Holanda, foi o primeiro piloto na história a ganhar as três categorias (125cc, 250cc e 350cc) no mesmo dia, feito só repetido por Hailwood em 1967. Venceu na Ilha de Manx cinco vezes, e após um acidente na prova belga de 1966, se retirou das competições.

Ernst Degner

Ernst Degner era uma estrela em ascensão da Alemanha Oriental. seu sucesso inicial chamou a atenção da MZ e se tornou piloto oficial. Ia colhendo bons resultados na MotoGP, até 1961, onde disputou o campeonato da 125cc até as etapas finais. Na penúltima prova, na Suécia, seu motor quebrou, mas seu adversário direto também quebrou…levando a decisão para a última prova, na Argentina. Mas resolveu fugir com sua família da Alemanha Oriental. O governo alemão oriental cancelou sua licença, impedindo-o de disputar a última prova. No ano seguinte foi pra Suzuki, levando consigo segredos do motor 2T das MZ, onde se sagrou campeão na 50cc, além de ter tido bons resultados nas outras categorias.Após um acidente sério em 1963, em Suzuka, batizaram a curva do acidente com seu nome. Em 1966 Ernst se aposenta e em 1983 morre em circunstâncias misteriosas.

Anton Mang

Após bons resultados no início da carreira com a Morbidelli, nas 125cc. Foi convidado pela Kawasaki para correr na 250cc e 350cc. Os títulos vieram apenas na década de 1980, sendo campeão da 250cc em 1980, 1981 e 1987, e da 350cc em 1981 e 1982, sendo o último campeão da categoria, que foi suspensa naquele ano. Seu terceiro título da 250cc o fez ser o campeão mais velho da MotoGP, aos 38 anos.

Carlo Ubialli

Carlo foi o primeiro piloto a dominar a MotoGP, seu recorde de 9 títulos, seis na 125cc (1951, 1955, 1956, 1958-1960) e três na 250cc (1956, 1959, 1960), só foi igualado mais tarde por Giacomo Agostini e Valentino Rossi. Venceu 5 vezes na Ilha de Manx e em seus 12 anos de carreira, nunca sofre um acidente.

Walter Villa

Walter Villa foi uma lenda italiana, logo em sua primeira corrida, aos 13 anos chegou em terceiro, batendo um futuro mito das duas rodas, Giacomo Agostini! Villa segui carreira nas categorias de 250 e 350cc. Sendo tricampeão consecutivo na primeira (1974-1976) e campeão na última, também em 1976. Correndo na maior parte da carreira com Harley Davidson

Geoff Duke

Uma das lendas da década de 1950, Duke reinou no período, sendo bicampeão na 350cc (1951 e 1952) e tetracampeão na 500cc (1951, 1953-1955). Além disso tem 6 vitórias na Ilha de Manx.

Gary Hocking

Em cinco anos de carreira, Hocking fez um estrago enorme. Logo na estréia em 1958, terminou em Nürburgring apenas atrás das MV Agustas oficiais. No ano seguinte, graças à sua performance na Ilha de Manx, recebeu um convite da MZ para pilotar, foi vice campeão da 250cc. Em 1960, a MV Agusta contrata ele, e no final do ano, é vice nas 125cc, 250cc e 350cc. Com a saída de John Surtees em 1961, Hocking passa a ser o piloto número 1 da MV agusta e domina os campeonatos da 350cc e 500cc. No ano seguinte, muda das motos para os carros.

Ángel Nieto

Ángel se especializou em pequenas cilindradas, ganhou 13 (ou como gosta de contabilizar, 12+1) títulos mundiais, 6 na 50cc (1969, 1970, 1972, 1975-1977) e 7 na 125cc (1971, 1972, 1979, 1981-1984). Mesmo não tendo muitos resultados nas classes superiores, seus contemporâneos como Barry Sheene o considerava como um dos melhores pilotos de todos os tempos.

Deixe uma resposta