Audi Sport

Com o encerramento do programa de endurance da Audi, além de uma mudança de foco para os carros elétricos, vamos relembrar os 15 carros mais icônicos da marca de Ingolstadt no automobilismo.

Audi R8R (R8)

Em 1997, a Audi Sport pensava em se retirar do automobilismo, a tarefa de Wolfgang Ulrich na época era mostrar que a marca ainda podia chegar mais longe. Com uma mãozinha de Ferdinand Piëch e aproveitando que a equipe de Reinhold Jost estava procurando uma nova marca para se associar depois da separação da Porsche, iniciaram o programa de resistência. Aproveitando o know-how de um projeto já existente da Porsche, o 9R3, que foi abortado e em contrapartida, a Audi passou o know-how do sistema quattro para a Porsche desenvolver um SUV.
O R8R foi apresentado nas 24h de Sebring de 1999, e após conseguir um pódio, foi desenvolvido para as 24h de Le Mans do mesmo ano, também terminando em terceiro lugar. Servido de base para o desenvolvimento do R8.

Audi R8C (R9)

Após as lições aprendidas em Sebring, a Audi se preparou para as 24h de Le Mans levando duas equipes com dois carros de conceitos diferentes. O R8R, evoluído e o R8C, protótipo fechado desenvolvido pela RTN (Racing Technology Norfolk) e sendo inscrito pela Richard Lloyd Racing como Audi Sport UK. Como o protótipo aberto foi melhor, o R8C foi descartado logo após a prova. Mas as lições aprendidas com ele foram aplicadas no Bentley EXP Speed 8.

Audi R8 (R8)

A Audi usou o ano de 1999 para recolher informações e desenvolver o carro para ganhar as 24h de Le Mans. Ao focar em um protótipo aberto, a Audi procurou aperfeiçoá-lo, surgindo o R8, vencedor de 5 edições da famosa prova francesa em 2000, 2001, 2002, 2004 e 2005, sendo superado apenas pelo Bentley Speed 8 em 2003.

Audi R10 TDI (R10)

Em 2006, a Audi resolveu mudar as coisas, investindo na tecnologia TDI (Turbocharged Direct Injection), desenvolveu um protótipo movido a diesel, mesmo com as raras participações de carros diesel em Le Mans, o último foi um Lola B2K/10 – Caterpillar, ganhando em Sebring (2006 e 2007) e Le Mans (2006, 2007 e 2008), enfrentando a concorrência do Peugeot 908 HDi FAP também movido a diesel e do Porsche RS Spyder 9R6, que mesmo sendo de uma classe inferior (LMP2) conseguia ser competitivo na ALMS.

Audi R15 TDI (R15)

Evolução do R10 TDI, o R15 TDI era mais leve e mais ágil que o R10 com a redução do motor de V12 para V10. Mas como a concorrência não dorme, enfrentou um Peugeot 908 HDi FAP, que acabou levando Sebring, Le Mans e Petit Le Mans. Resultando no R15 TDI plus, com aerodinâmica revista e mais rápido, ganhando em Le Mans em 2010 pela durabilidade enquanto a Peugeot abandonou com problemas de motor.

Audi 80 B2

O início da Audi Sport começou com esse carro em 1978/79. Modelo simples comparado com o sucessor, o Quattro. O Audi 80 de segunda geração foi o início da Audi não só nos ralis, como no automobilismo desde o renascimento da marca com o fim da Auto Union na década de 1960.

Audi R18 e-tron quattro (R18)

Em 2011, a Audi trouxe um carro completamente novo. O R18 era um protótipo fechado com motor diesel TDI V6 com um turbo, contrastando com o R15, que era aberto e possuía um V10 bi-turbo. Ganhou as 24h de Le Mans derrotando os Peugeot 908 no final da última volta. No ano seguinte, a marca francesa abandonaria as provas de resistência, e seu novos adversários, Toyota TS030 (2012 e 2013), TS040 (2014 e 2015), TS050 (2016) e Porsche 919 Hybrid (2014-2016) viriam com o renascimento do campeonato mundial de endurance no ano seguinte, surgindo o R18 e-tron quattro, com sistema híbrido vinculado ao eixo dianteiro, dando tração nas quatro rodas. Bicampeão do Mundial de Resistência (2012 e 2013), e vencedor das 24h de Le Mans de 2011 até 2014. Em 2016, a Audi anunciou sua retirada das corridas de resistência, encerrando 18 anos de história na modalidade.

Audi 200 turbo quattro TransAm (R4)


Após o fim do Grupo B, a Audi foi para os EUA demonstrar que o sistema quattro poderia ser eficiente não só no fora-de-estrada. Através da Group 44 Racing, inscreveu o Audi 200 geração C3 dotado de motor turbo e tração quattro e sendo o primeiro carro de corrida da Audi para pistas desde os Auto Union dos Grand Prix da década de 1930. Das 13 corridas do campeonato, a Audi ganhou 8 conseguindo seu objetivo de reforçar a marca no mercado yankee.

Audi 90 IMSA GTO (R5)

Após o sucesso estrondoso do 200, a Audi inscreveu o Audi 90 na IMSA com um 90 da geração B3 com um motor 5 cilindros derivado do Quattro S1 E2 usado em Pikes Peak. Após vencer 7 de 15 corridas disputadas, a Audi saiu dos EUA para desenvolver o V8 para o DTM.

Audi A4 STW quattro (R7)

Após a saída do DTM e o surgimento de novos regulamentos para a categoria turismo, a Audi desenvolveu uma versão do A4 da geração B5 com tração quattro e motor 4 cilindros 20V sendo usado em vários campeonatos de superturismo pela Europa. Sendo campeão na Inglaterra (BTCC – 1996), Itália (ISC – 1995 e 1996) e Alemanha (STW – 1996 e 1999).

Audi Sport quattro S1 E2 (R2)

O quattro S1 E2 foi a evolução máxima do Audi quattro no Grupo B. Infelizmente, também foi a última. Sendo aposentado após a tragédia de Sintra, onde foi dado o primeiro aviso de que o Grupo B era insano demais para continuar. A Audi se retirou do campeonato imediatamente. E explorando outros ampeonatos onde poderia aplicar toda a tecnologia desenvolvida no WRC. Ao decidir seguir para os EUA, expandindo seu mercado, inscreveu um Quattro na subida de montanha de Pikes Peak não só vencendo como estabelecendo um novo recorde da prova.

Audi R8 LMS ultra (R16)

O R8 LMS ultra é a evolução do R8, coupé desenvolvido pela Audi para competições de GT e destinado a ser usado por equipes privadas em 2009. Utilizando os conceitos desenvolvidos com os LMP1, como carroceria leve desenvolvida com a tecnologia usada no R15 ultra

Audi V8 DTM (R6)

Em 1990, a Audi entrou no DTM, competindo com Mercedes 190 E e BMW E30 M3 com o Audi V8 da geração D11, assim como os antecessores, dotado do sistema quattro. Nos três anos em que competiu, o V8 quattro foi bicampeão consecutivo em 1990 e 1991, em 1992, com a adição de lastro nos carros para deixá-lo parelhos com a concorrência, a Audi desenvolveu um novo virabrequim de 180º, o que era contra o regulamento, já que não era usado nos carros de rua originalmente, causando protestos da BMW e Mercedes-Benz. O caso foi levado à suprema comissão de esportes automotores alemã, sendo o uso da peça considerada ilegal, a Audi se retirou do DTM imediatamente, retornando somente após o renascimento da série em 2000.

Abt-Audi TT-R

O retorno do DTM trouxe novas regras, e o retorno das marcas alemãs, Audi com o TT-R desenvolvido pela Abt, Opel Astra OPC, Mercedes C-Klasse, exceto a BMW, que se retornou anos depois. O TT-R ficou quatro anos em competição, sendo subsituído pelo A4 DTM em 2004. Ganhando o título de pilotos com Laurent Aïello em 2002.

Audi RS001

Oficialmente o RS001 não existe e nem está nessa lista. 😉  Nunca houve um teste secreto em 20/10/1985 com um modelo variante do Quattro Sport com motor central e entre-eixos curto. Nem há indícios de uma carga marcada como Kenya Test sendo enviada para uma pista de testes em Desná no interior da antiga Checoslováquia.

 

Fontes: Fourtitude , Audi Media Center  e Motorsport Blog

 

Deixe uma resposta