Rodas

Elas não são só um mero elemento do conjunto motriz, elas dão personalidade ao carro. Temos aqui 15 rodas clássicas

OZ Superturismo WRC

o clássico modelo branco da OZ feito para carros de turismo e para carros de rali.


Scorro S27

Lançada em 1978, era a roda padrão para os Chevrolet Opala da Stock Car e cobiçada pelos donos de carrões da época (Dodges, Mavericks, etc)

Titanio Venus

Modificação padrão para carros modificados no Brasil na Década de 1970.

Borrani Wire Wheel

criada em 1932, essa roda era baseada no modelo criado pela Rudge & Withworth com cubo rápido. Logo se tornou padrão em carros de competição da época até meados da década de 1960.

Momo Star

Ela era acessório de Alfa Romeos e Ferraris e chegou a ser opcional até do Gurgel! o.O

Speedline 2010

Roda clássica de desenho simples, calçou lendas como Alfa Romeo 75 IMSA, Audi Quattro e Toyota Celica GT-Four

Speedline 2013

Outro modelo clássico da Speedline, foi do Superturismo (Alfa Romeo) até o WRC (Subaru) basicamente só mudando a cor

Speedline 2015

6 títulos mundiais consecutivos de rali, Lancia Delta HF, essa roda fala por si só

BBS RS

O que BMWs da série E30 e o Golf GTI MkII tem em comum? rodas BBS RS

Minilite

Começou como uma roda esportiva para o Mini Cooper, mas ganhou novos diâmetros e equipou todos os carros esportivos ingleses ou não entre as décadas de 1960 e 1970

ATS Penta

A ATS Penta era um dos itens do pacote AMG para Mercedes mais esportivas, um clássico da década de 1980

ATS Classic

A ATS Classic era febre entre os VW preparados da Europa no final dos anos 1970, os modelos a ar e o recém-lançado Golf desfilavam pelas Autobahns com essas rodas negras

Fuchs FS

Um ícone dos VW a ar mexidos e ícone nos Porsche, de quem era fornecedora de rodas

Hurst Dazzler

Se você conhece algo sobre muscle cars já ouviu o nome Hurst. Se você tem um muscle car com certeza já pensou em colocar essa roda no seu carro. =) um ícone do gênero como motores V8 de grande capacidade e a alavanca de câmbio em T, também da Hurst =)

Alpina Classic

As BMW Alpina são épicas, e as rodas raiadas com centro preto fosco indicava que não devia mexer com elas nas estradas alemãs

Streamline

Ah, a Art Déco, período interessante na arte, arquitetura e no design, com elementos futuristas, elegantes, funcionais e modernos, que durou aproximadamente entre 1925 e 1939. Blábláblá, enfim isso não é um site de arte e muito menos sobre arquitetura…mas o período futurista nos trouxe algo novo (pra época), um conceito revolucionário, carrocerias mais aerodinâmicas! o/

Chrysler Airflow

O Chrysler Airflow foi um dos primeiros carros a serem feitos utilizando túnel de vento (isso na década de 1930!) mas seu design arrojado (clichê #1 =P) não agradou o mercado americano…

DeSoto Airstream

O DeStoto Airstream era uma versão mais barata (e conservadora) do Airflow

Volkswagen KdF

O predecessor do VW-Sedan, o KdF foi desenvolvido por Ferdinand Porsche com base em alguns modelos Tatra (inclusive, a marca checa processou os alemães por isso) e NSU

Tatra V570

A Tatra sempre foi referência em carros streamline, o V570 era um dos vários carros da marca a usar esse conceito…um carro popular com carroceria aerodinâmica! Um dos projetistas da Tatra nessa época era o responsáveis pelos Zeppelins…acho que isso infuenciou só um pouquinho os carros tchecos dessa época (1931-1975)

Tatra T600 Tatraplan

Duas coisas que sempre marcaram a Tatra: motor V8 a ar, e carrocerias streamline (ambas as coisas foram copiadas por Porsche =P). Enquanto protótipos LMP1 e carros de F1 achavam barbatanas um recurso aerodinâmico de última geração…os Tatraplan já as usava em 1946! (tá, vão falar que o Jaguar D-Type também tinha esse tipo de aleta…mas ele é de 1954;-))

Volvo PV36 Carioca

Um dos muitos carros inspirados pelo Chrysler Airflow foi o Volvo PV36, nessa época a marca sueca era diretamente influenciada pelo estilo americano

Toyota AA

Um dia a Toyota comprou um Chrysler Airflow, levou pro Japão, desmontou o carro…e fez o Toyota AA

Cord 812 Supercharged

O Cord 812 era um carro com desenho inovador (clichê #2 =P). Não só o desenho era diferente, mas a mecânica era diferente…tração dianteira, rádio, faróis escamoteáveis, limpador de para-brisas com velocidade regulável…O cord vinha com tudo isso antes disso ser padrão no mercado!

Alfa Romeo 6C Aerodinamica Spider

Um belo dia, tava um chassi de Alfa 6C dando mole…Vittorio Jano mandou pra dois croatas fazerem uma carroceria legal pra ele… Os irmãos Jankovitz eram amigos de Paul Jaray (um dos responsáveis pelos Tatra streamline da época) e bingo! Surgiu o primeiro supercarro moderno com motor central traseiro com posição de pilotoagem central. Isso só 60 anos ANTES do McLaren F1!!!!

Nash Ambassador Slipstream

Um dos últimos carros streamline…O Nash Ambassador era um dos carros mais caros e espaçosos dos EUA na época (anos 1940). Vinha com bancos totalmente reclináveis e dava pra dormir até 3 adultos (uma das razões do Baby Boom? =P).

Lincoln Zephyr

O Lincoln Zephyr pegou o vácuo do Airflow e conseguiu fazer sucesso com o mercado, e ajudou a popularizar o conceito streamline nos carros americanos

Peugeot 402

O 402 seguia a tendência (clichê #3 =P) da época. Mas contava com um toque de ousadia da marca (isso era mais coisa da Citroën), e vinha com faróis embutidos na grade dianteira. Coisa que só reapareceu lá pra década de 1960 com os muscle cars.

Bugatti Type 57

O Bugatti Type 57 possuía um design agressivo (clichê #4 =P) e era um dos esportivos clássicos da época. Feito em liga leve, mantinha uma espécie de aleta no meio da carroceria (que parece um caracol) como elemento de estilo.

Talbot-Lago T-150 CSS

Assim como o Bugatti, era o favorito dos almofadinhas da época. Veloz, caro, e elegante. Veio num momento em que a Talbot era reestruturada por Anthony Lago, que comissionou aos criadores de carroceria (uma arte perdida, infelizmente) Figoni & Falaschi e Saoutchik. Que faziam belas obras de arte sobre quatro rodas (clichê #5 =P)!

Delahaye 165

O Delahaye 165 é literalmente um carro único! Com carroceria assinada (clichê #6 e último =P) pela Figoni & Falaschi, foi escolhido pelo governo francês para representar o país na Feira Mundial de 1939 em Nova York. Tudo lindo e maravilhoso…mas a Segunda Guerra estourou e o carro foi largado (literalmente) nos EUA, onde após anos de abandono e descaso (inclusive seu V12 fora trocado por um V8) foi recuperado por um colecionador! o/o/

Sobrealimentados

A sobrealimentação de um motor, é algo sempre planejado em preparações de motores para ter um ganho significativo de performance. Geralmente fazem isso utilizando um sistema com compressor (supercharged) ou um sistema com turbinas (turbocharged), ambos atuam com o mesmo objetivo…aumentar a pressão da mistura ar-combustível por meio de indução forçada. No turbo, isso é feito utilizando os gases do escapamento para acionar a turbina. No compressor, ele é acionado por uma correia ligada à polia do motor.

BMW 2002 turbo

O 2002 turbo era o troll das autobahns. Versão esportiva do BMW 2002, vinha com alguns elementos aerodinâmicos para canalizar melhor a fúria. Uma coisa legal era a inscrição turbo no spoiler dianteiro escrita ao contrário para quem ousar estar no seu caminho ler no retrovistor e sair de sua frente rapidinho. Simples, discreto e muito eficiente.

SAAB 99 turbo

O turbo era uma das versões mais legais do SAAB 99, chegava a 200km/h de velocidade máxima e na especificação turbo S, vinha de fábrica com injeção de água que dava um boost de até 20 HP nos 145HP do motor.

Porsche 911 turbo

O 930 (denominação interna e nome do modelo no mercado norte-americano) era um carro extremamente temperamental, deu origem a duas feras das pistas, o 934 RSR e o 935. Arisco, com uma aceleração brutal e um turbolag extremo!

Buick GNX

O GNX era um carro grande, feio, mau, e preto (fabricado somente nessa cor, inclusive partes como puxadores, retrovisores, etc…tudo preto!), sem mais nem menos!

Opel Omega Lotus

O Omega Lotus era um projeto da Lotus para desenvolver um sedã esportivo com desempenho similiar a de um super esportivo. Contava com um motor 3.6 bi-turbo (upgrade do 3.0 original do GSi) com transmissão do Corvette ZR-1 e know-how Lotus e pintado unicamente em um tom escuro do famoso British Racing Green

Renault R5 Turbo

o R5 Turbo é a versão automotiva para algo ignorante, estúpido e bruto. O R5 era um pequeno carrinho urbano despretencioso com relação à performance. Já o R5 Turbo era um pouquinho diferente. Tinha “apenas” 190 HP a menos que  RE30, modelo de F1 da Renault na época. Era um predador em provas de asfalto, mas em terra, sentia a falta de tração 4×4.

Dodge Shelby Omni GLHS

Uma das coisas mais legais da Mopar era o modo “think outside the box” de elaborar os carros. O Dodge Omni ganhou uma versão esportiva feita com o auxílio de Carroll Shelby, e para batizá-lo, nada das convencionais siglas esportivas como SS, GT, TS, GTS, GTI, RT, TA, etc… Começou com a GLH (Goes Like Hell) e depois teve a GLHS (Goes Like Hell Sm’more), ambas significavam a mesma coisa – Anda rápido pra cara$%&#!

Lancia Delta S4

O Lancia Delta não está no meio da lista à toa…enquanto os 7 acima tem turbo e os 7 abaixo tem compressores, o Elefantino Rosso (apelido dos Lancias de corrida) possui os dois trabalhando em conjunto!!!!! O compressor atuava em baixas rotações e após a turbina encher, era ela quem ditava o ritmo. Tudo isso sem turbolag!

Cord 812 Supercharged

Um dos poucos carros ousados feitos nos EUA na década de 1930, o Cord 812, contava com motor com compressor, tração dianteira, faróis escamoteáveis design streamline e era extremamente baixo para um carro da época.

Lancia 037

O progetto 037 da Abarth foi uma espécie de sucessor do Stratos nos ralis, contava com um motor com compressor volumétrico que encarava os turbos de rali de igual para igual.

AC Cobra Shelby 427 Super Snake

Carroll Shelby pegou o simplório AC Cobra, e fez dele um carro de verdade. Depois resolveu fazer o Cobra mais extremo possível, fez o Super Snake com DOIS compressores e 800 HP. O único remanescente dessa curta série é o carro pessoal de Carroll.

Ford Mustang Shelby GT350

Assim como o Shelby Cobra, o Shelby GT350 era uma evolução do Ford Mustang. Contava com um compressor Paxton como opcional.

Alfa Romeo 8C

O motor 8 cilindros comprimido era uma obra-prima de Vittorio Jano. Foi um carro vencedor nos Grand Prix, e um dos primeiros carros utilizados por uma certa equipe chamada Scuderia Ferrari.

Bentley Blower

A versão supercharged do Bentley 4½ Litre era chamada de Blower por razões óbvias. vinha com um compressor mecânico que após divergências de opinião, foi posicionado à frente do radiador na extremidade do virabrequim. na versão de rua, tinha 175 HP na de corrida 240. Nada mal pra um carro do final dos anos 1920!

Volkswagen Golf Rallye

O Golf Rallye era praticamente um Golf GTI G60 com kit Oettinger, seu motor sofreu um pequeno downgrade para se adequar ao regulamento do WRC na época e  foi o último carro supercharged a correr no WRC.

Petrolíferas

As empresas de petróleo e derivados tem uma relação profunda com o automobilismo, usando as competições como plataforma para desenvolvimento de tecnologia e propaganda para divulgar seus produtos e ampliar participação no mercado. Temos aqui 15 marcas clássicas que todo petrolhead conhece (e já usou) =)

GALP

Petrolífera portuguesa, patrocina boa parte dos pilotos e provas lusitanas de destaque internacional


Texaco

Uma das maiores petrolíferas do mundo, a Texaco geralmente usa sua marca de lubrificantes Havoline para patrocínios, raramente aparece como patrocinadora principal

Ipiranga

Inicialmente patrocinava a Gaúchacar nos campeonatos brasileiros, atualmente o azul e amarelo da marca estama o carro da Bia Figueiredo na Indy

Atlantic

Petrolífera brasileira que marcava presença no campeonato de marcas e pilotos

Castrol

Fabricante inglesa de lubrificantes tradicional do automobilismo. Patrocinou várias equipes de motociclismo, F1, endurance, e rali

Pennzoil

Petrolífera americana mais focada em lubrificantes. Seus carros amarelos da Nascar, Indy e JGTC são lendários

British Petroleum

Uma das atuais Supermajors, a BP patrocinou várias marcas no WRC, como Audi, VW e Ford


Petrobrás

Estatal brasileira que desde meados da década de 1990 possui uma equipe no Mundial Cross-Country e possuiu uma equipe na extinta F3000 para revelar talentos brasileiros para as categorias principais do automobilismo

STP

Fabricante de lubrificantes e aditivos americana que marcou época patrocinando Richard Petty na Nascar

Gulf

O paintscheme mais famoso de todos. A Gulf é talvez a mais famosa das Sete Irmãs no mundo das competições

Shell

A Irmã holandesa, tem um passado ligado ao automobilismo, mas como fornecedora de combustível e lubrificantes. Poucas vezes foi patrocinadora principal

Total

A petrolífera francesa sempre esteve ligada ao automobilismo francês, ou a equipes francesas no automobilismo mundial seja como forncecedora ou patrocinadora principal

Elf Aquitaine

A Elf Aquitaine sempre usou o automobilismo como meio de promoção, e não só como patrocinadora, mas investindo em novos pilotos. A parceria acabou quando a TotalFina comprou a Elf Aquitaine, passando a se denominar TotalFinaElf, e depois somente Total

Fina

A belga Petrofina teve uma breve associação com a BMW M nas competições internacionais entre o final da década de 1980 e a década de 1990. Em várias categorias (turismo, endurance, etc) os carros com motor bávaro utilizavam combustível belga

Neste

Petrolífera finlandesa que patrocinava o 1000 Lakes Rally, além de ter patrocinado Juha Kankkunen na sua despedida aos WRCar em 2010.

Cervejarias

Mais uma parte da lista de 15 paintschemes clássicos do automobilismo, dessa vez patrocinados por empresas cervejeiras. O tema veio de uma ajuda que dei ao amigo Rian no seu blog a um tempo atrás. E lembrem-se se dirigir não beba, se beber me chame! =)

Labatt’s

A cervejaria canadense tinha uma equipe no BTCC no início da década de 1990. Laurence Bristow e Tiff Needell pilotavam os carros azuis e brancos.

Itaipava

A equipe KV Racing usou um layout especial na SP300 no carro 82, do piloto brasileiro Tony Kanaan, que é patrocinado pela marca.

Skol

A cervejaria foi a segunda patrocinadora principal da Equipe Fittipaldi na F1

Brahma

Foi uma das primeiras marcas a estabelecer parceria com equipe de corridas no Brasil (Casari-Brahma Competições). A cervejaria brasileira também patrocinava o carro de Raul Boesel na Indy em 1995/1996

Miller

A cervejaria americana parocinava Bobby Rahal na Indy durante sua carreira como piloto e por um bom tempo também patrocinava sua equipe na era CART

Budweiser

A Budweiser tem uma relação de patrocínio com a Indy semelhante à da Marlboro com a F1. Vários pilotos correram com seu vermelho característico.

Kronembourg

Uma das poucas cervejas sem álcool a patrocinar uma equipe na F1. A Larrousse estampou a marca Kronembourg em algumas etapas da temporada de 1994

Tourtel

A marca-irmã da Kronembourg, estampava suas cores na Larrousse durante quase toda a temporada de 1994

Belle-Vue

A marca belga de cervejas feitas com frutas patrocinou a então equipe privada de Frank Williams em 1977 que corria com o também belga Patrick Nève

Veltins

A Veltins faz uma das melhores pilsener alemãs, e no automobilismo alemão patrocinou carros em campeonatos locais como Carreracup e DTM

Hasseröder

A cervejaria alemã patrocinava a Abt Sportline no turismo alemão

Löwenbräu

Uma das mais antigas cervejarias alemãs, a Löwenbräu patrocinou a McLaren em algumas provas em 1978

Warsteiner

A cervejaria alemã foi a primeira patrocinadora da equipe Arrows, e por causa de suas cores seus carros eram chamados de golden bullets.

Guiness

A clássica stout irlandesa patrocinou a March no início da década de 1980

Tecate

Marca mexicana que era a patrocinadora de adrian Fernandez por sua carreira na Indy

Petrolíferas #2

Continuação da lista anterior sobre paintschemes de empresas do ramo do petróleo

Esso

Derivada da antiga Standard Oil (Esso = S.O.), é tradicional fornecedora de combustível para várias categorias.. Patrocinou os carros da HF Griffone nos ralis na década de 1980

SASOL

Petrolífera sulafricana que patrocinou a Jordan na F1 e a VW local em provas de rali nacionais

Valvoline

Uma das principais fabricantes de lubrificantes dos EUA, a Valvoline tem presença marcante como patrocinadora nas categorias principais norte-americana

Mobil

Assim como a Valvoline, a Mobil tem uma longa ligação com o automobilismo, além de ter sido patrocinadora da Hogan-Penske

Igol

Fabricante francesa de lubrificantes, patrocinou as Ferrari F40 da Ennea Srl no extinto BPR Global GT Series (que virou o atual FIA GT)

Motul

Outro fabricante gaulês de lubrificantes, a Motul tem participação como fornecedora em vários campeonatos internacionais

Duckhams

Fabricante inglesa de lubrificantes, patrocinou algumas equipes de automobilismo entre as décadas de 1970 e 1980

Liqui Moly

Fabricante alemã de lubrificantes e aditivos, patrocinou a Kremer no extinto Gr.C

Bardahl

Fabricante americana de lubrificantes, foi patrocinadora e parceira fundamental no automobilismo brasileiro, atualmente é patrocinadora da equipe Hot Car da Stock Brasil

Lukoil

Petrolífera russa que patrocinou vários pilotos russos nas divisões de base internacional e participa ativamente do automobilismo local

Repsol

Petrolífera espanhola que patrocinou diversas equipes em várias categorias, como MotoGP, F1, WRC


YPF

Petrolífera argentina que tem ligações sólidas com o automobilismo local

Petronas

Empresa malaia bastante presente na F1 e nos ralis

OMV

Petrolífera dinamarquesa que patrocina a equipe Stohl nos ralis

ENEOS

Marca japonesa de derivados de petróleo, patrocina a equipe Lexus na Super GT

Patrocinadores

Desde a década de 1960, o patrocínio comercial ganhou um lugar de destaque no automobilismo, muitos guardam a lembrança das cores de determinadas empresas em carros (ou motos) de várias categorias do esporte a motor. Temos aqui 15 paintschemes lendários

PS: como a maioria esmagadora dos patrocinadores são fabricantes de cigarros e de cerveja, deixei eles para um top 15 dedicado a cada ramo  =)

Jägermeister

A marca alemã de licor esteve em várias categorias, sempre cm um layout simples, e marcante. Se você leu Jägermeister e logo lembrou de algum carro de turismo, endurance, F1, rali, etc laranja, entendeu o recado =P


Continuar lendo Patrocinadores