GTs

Porsche-Abarth 356 Carrera GTL
O 356 Carrera já era legal por ser um carro pequeno, leve e ágil. Encarava carros maiores sem pensar duas vezes, o GTL era mais leve e aerodinâmico. A Abarth fez um trabalho perfeito com a carroceria, que casou certinho com o motor Carrera. Vitórias na Targa Florio, 24 horas de Le Mans, 1000 km de Nürburgring, 12 horas de Sebring e Daytona!

Continuar lendo GTs

Caminhões Militares

Embora tudo isso tenha começado com um blog sobre veículos 4×4 e militares há uns 4 anos atrás, temos aqui uma lista de 15 caminhões militares. Qual a diferença? Bem, são maiores, carregam mais tralha (2,5t contra 1/4t), motores multicombustível (alguns aceitam desde combustível de avião até óleo de fritura!) e tem um eixo motriz a mais…hehehehehe.

ENGESA EE-25
O caminhão militar EE-25 foi um dos produtos mais populares, exceto os blindados da ENGESA. sendo usado pelo Exército Brasileiro e exportado para países da África e Oriente Médio. Vinha com uma gama de motores diesel, desde Chrysler, Perkins, até os Mercedes-Benz. Inicialmente era 4×4, mas foi transformado em 6×6 com suspensão boomerang.

Continuar lendo Caminhões Militares

Fórmula 1

Em 62 anos, a F1 se estabeleceu como o ápice do automobilismo e nesse tempo, muitos carros se destacaram tanto por inovações tecnológicas quanto por serem bem eleborados. Temos aqui 15 carros que marcaram a F1 ao longo dos anos.

Ferrari 312T
Mauro Forghieri criou um modelo simples, limpo e que poderia evoluir mecanicamente de acordo com o regulamento e inovações futuras. O 312T entrou em ação em 1975 e se mostrou um carro competitivo até 1980, onde não era páreo para os turbos e os carro-asa. Nesse período, angariou 4 títulos de construtores (1975, 1976, 1977 e 1979) e 3 de pilotos (1975 e 1977 com Lauda e 1979 com Scheckter).

Continuar lendo Fórmula 1

All Aboard! #2

Segunda parte do playlist ferroviário =P

…and stay tuned for more news!

Road Songs #6

Sexta parte do tradicional playlist estradeiro

…and stay tuned for more news!

GT1

Com o fim do Mundial de Sport-protótipos em 1992, o pessoal sentiu falta de um campeonato reunindo carros GTs e provas de longa duração. Em 1994 foi criado o BPR Global GT Series, que logo fez sucesso sendo tomado pela FIA e transformado em FIA GT Championship que foi mudando de nome até o atual FIA GT series. Nesse tempo todo, a especificação dos carros GT1 mudou um pouco, temos aqui 15 carros que foram marcos nessa classe

Porsche 911 GT1
Até o 911 GT1, todos os carros da categoria eram modelos com visual semelhante aos de rua. Foi o primeiro a inverter o padrão de desenvolver um carro de rua para as pistas, tentando adaptar o carro de corrida para as ruas.


Toyota GT-ONE
Inspirada pelo sucesso da Mercedes-Benz e Porsche nos campeonatos de GT, a Toyota resolveu criar um GT de corridas que pudesse ser adaptado para as ruas. Explorando a mesma brecha de regulamento que a Mercedes-Benz, acabou participando das 24H de Le Mans de 1998 e 1999 com bons resultados.

Lotus Elise GT1
Com a mudança do BPR para FIA GT em 1997, a Lotus apresentava o sucessor do Lotus Esprit, o Lotus Elise GT1. Embora o anterior fosse comparável ao Porsche 911 GT1 e McLaren F1 GTR, o Elise herdou seus problemas de durabilidade, e após a temporada de 1997, a Lotus dava adeus ao endurance

McLaren F1 GTR
Lançado pouco antes da estréia do BPR, o McLaren F1 fez sucesso na categoria ganhando uma versão de competição a pedido das equipes para correr no BPR. Entre 1995 e 1999 foi um grande sucesso nas pistas em várias categorias de GT.

Nissan R390 GT1
Foi o último a aproveitar a farra da brecha da mala. O R390 era promissor, e teve vida curta (1997-1998), embora tenha tido muitos problemas de durabilidade em 1997, no ano seguinte conseguiu um pódio nas 24 horas de Le Mans.

Mercedes-Benz CLK-GTR
A Mercedes-Benz vendo o sucesso dos GTs resolveu entrar na briga pra encarar Ferraris e Porsches. Pra desenvolver seu carro, secretamente comprou um McLaren F1 GTR da Larbre e enviou para a AMG para testes e desenvolvimento do carro. Apesar de problemas nos freios na primeira corrida, mostrou-se o carro a ser batido.

Panoz Esperante GTR-1
Don Panoz junto com o pessoal da Reynard e da Ford resolveu entrar na brincadeira, e fazer uma versão especial do seu Panoz Esperante. Com motor Roush da Nascar e direito a ser o proprietário do único Esperante GTR-1 homologado para as ruas.

Maserati MC12
Era uma evolução da Ferrari Enzo, que marcava o retorno da marca depois de 37 anos. Dominou o FIA GT entre 2004 e 2010

Ferrari F40 LM
Embora a Ferrari não tivesse a intenção de utilizá-la em corridas, algumas pessoas viram potencial na F40 e provou-se ser um carro competitivo, nisso a Ferrari estendeu a vida útil do modelo em alguns anos fazendo a F40 LM, que logo seria substituída pela versão esportiva da F50.

Lister Storm GTL
O GTL foi uma evolução do Storm GTS para tentar acompanhar o ritmo dos CLK-GTR, e 911 GT1, mas infelizmente era pouco durável e não muito competitivo. Embora tenha tido mais sorte correndo como GT2.

Saleen S7R
Após a farra que tinham feito entre 1996 e 1998, os GT1 voltaram a ser carros menos protótipos, e o Saleen S7R retomava a filosofia de carro de corrida feito a partir do modelo de rua. Foi bem-sucedido no tempo em que correu no FIA GT e ALMS entre 2000 e 2007

Ford GT1
Embora o Ford GT tenha sido fabricado entre 2004 e 2006, o GT1 foi criado e usado entre 2009 e 2011 no FIA GT sem muitos resultados.

Honda NSX Turbo GT1
O NSX Turbo foi uma tentativa japonesa de resposta ao McLaren F1 GTR, embora fossem rápidos não conseguiram bons resultados nas 24 horas de Le Mans de 1995

Ferrari F50 GT
Com o lançamento da Ferrari F50 e o sucesso da F40 LM no BPR, a fábrica de Maranello cogitou uma versão GT1 do novo carro, mas foi cancelada graças ao Porsche 911 GT1 embora esse tenha corrido como convidado e não marcasse pontos no campeonato. Uma pena…

Venturi 600 LM
Uma das vedetes do BPR, o esportivo francês botava no bolso F40, McLaren F1 e demais com razoável facilidade, porém ficou defasado com rapidez.

Sedãs Esportivos

Sedãs são carros sóbrios geralmente levam o patrão pro escritório, mas no caso desses 15, levam mais rápido, e com mais estilo

Lancia Thema 8.32
O Thema era um sedã sóbrio e discreto por fora. Mas contava com powertrain da Ferrari Mondial com interior Poltrona Frau.

Mercedes-Benz W201 190E
A Mercedes-Benz procurou a Cosworth para fazer do 190 um carro de ralis, não deu certo…mas nas corridas de turismo fez história!

BMW E28 M5
Na década de 1980, alguém pensou que um M535i não era suficiente e meteu o motor do M1, o resultado foi o sedã produzido em série mais rápido da época! BMW badass acima dessa, só a 850i!

Alfa Romeo 164 Q4
Compartilhando a mesma plataforma do Thema, mas com uma abordagem mais hardcore, o 164 Q4 trazia um V6 3 litros com tração 4×4 integral e câmbio de 6 marchas.



Audi B4 S2
O Audi S2 foi o “herdeiro” do Quattro, feito pra brigar com os BMW M e Mercedes-Benz AMG, vinha com o famoso motor L5 2.2 litros turbo e tração integral.



Buick Regal GNX
Feio, preto, indomável…e muito legal. Criado pra ser o Grand National definitivo, vinha com um V6 turbo modesto o suficiente pra ser alcançado por um Corvette ou algo do tipo.



Nissan Skyline R32 GT-R
Em 1989 o mito japonês renasceu! Gojira!!!! Vulgo Nissan Skyline GT-R, um sedã esportivo poderoso o suficiente para esfregar a cara de alguns pony cars no chão. Aliás, dizem as más línguas que essa é uma das razões dele nunca ter sido importado pros EUA.



Opel Lotus Omega
Disponível em apenas British Racing Green, o Lotus Omega se destacava dos Omega normais por alguns penduricalhos, como motor L6 3 litros preparado pela Lotus (aumentado pra 3.6 litros bi-turbo), transmissão do Corvette ZR1, diferencial LSD do Holden Commodore. Apenas isso!



FIAT Tempra Turbo
Um dos sedãs esportivos mais cultuados no Brasil. O Tempra Turbo foi parte da última geração de esportivos reais fabricados no Brasil.



Subaru Impreza WRX
O sucessor do Legacy RS era um sedã menor porém mais ágil. Depois de ganhar fama nos ralis, foi uma das sensações entre os fãs de drift.



Mitsubishi Galant VR-4
Assim como antes do Impreza WRX houve o Legacy RS, o ancestral do Lancer Evolution foi o Galant VR-4. Campeão do APRC três vezes com Kenjiro Shinozuka em 1988 e Ross Dunkerton em 1991 e 1992, fora as vitórias no WRC mostravam o potencial da fera.



Opel Commodore B GS/E
A versão esportiva do sério Commodore vinha com um L6 2.8 litros com injeção Bosch D-Jetronic e cerca de 160 HP. Dava pra dar uma apavorada legal nas Autobahnen 😛



Chevrolet Opala SS
O Opala era uma mistura de Opel Commodore e Chevrolet Nova, mas ao contrário dos concorrentes da Ford e Chrysler, não era e nunca teve orignalmente um motor V8, mas seu L6 de 4.1 litros não fazia feio perante os rivais.

Triumph Dolomite Sprint
A resposta inglesa ao BMW 2002 tii, foi o primeiro carro fabricado com mais de duas válvulas por cilindro. Mesmo sendo um 16v SOHC! :S



IKA Torino 380W
Assim como o Opala SS, era um “muscle car” sulamericano. Dotado de um L6 3.8 litros com três Weber 45 de corpo duplo, foi uma lenda hermana, devido ao terceiro lugar nas 84 Horas de Nürburgring de 1969, perdendo a vitória apenas por penalidades.