Jipes: Volkswagen Typ 181

Baseado no antigo Typ 82 “Kübelwagen”, o Typ 181, foi renomeado como Kurierwagen, Trekker, Thing e Safari. Mecanicamente era a mesma coisa…um carro fora-de-estrada com mecânica do VW Sedan. Logo se tornou um modelo “cult”, e enquanto o projeto Europa Jeep era desenvolvido, ele foi escolhido para ser uma opção temporária até o carro ficar pronto. Foi fabricado entre 1968 até 1980(versão civil) e até 1983(versão militar), sendo susbtituido pelo VW Iltis (tanto no mercado, quanto na OTAN).

Carros de Competição: Citroën ZX Rally Raid

Com o fim do Grupo B em 1986, muitos fabricantes passaram a utilizar seus carros em outras competições, e o Campeonato Mundial de Todo-Terreno foi uma espécie de lar para esses carros. O Citroën ZX Rally Raid, também conhecido como ZX Monster, foi desenvolvido em 1990 pela Citroën, após os sucessos da Porsche com o 959 e da Peugeot com os 205 e 405 t16, e nos sete anos em que competiu (1990-1997), ganhou quatro vezes o Dakar (1991, 1993,1994,1995) e foi tetracampeão do Mundial de Todo-Terreno (1993,1994,1995,1996).

Jipes: Citroën Méhari

O Citroën Méhari, fabricado de 1968 até 1988 e, era um projeto baseado no Citroën Dyane, uma versão moderna do clássico 2CV, era um jipe bastante simples, com carroceria de plástico ABS, motor do Dyane com potência aumentada. Era um veículo bem espartano em sua concepção, sua carroceria era formada por 13 peças no total. Entre 1980 e 1983, foi fabricada a versão 4X4.

Jipes: Peugeot P4

Com uma história semelhante à do VW Iltis, o Peugeot P4 surgiu de uma licitação para um veículo militar para substituir os antigos Jeep do exército francês. Assim como os projetos concorrentes, Citroën C44 (um VW Iltis com motor do Citroën CX), Renault TRM500 (um FIAT Nuova Campagnola com motor do Renault R20), o Peugeot P4 era uma parceria da Peugeot com a Mercedes (fabricante do G-Wagen), com uma carroceria semelhante à do modelo alemão, com a frente semelhante à dos modelos 505, de onde vinha a motorização. Fabricado de 1978 até 1992, foi também utilizado no Dakar como veículo de assistência de alguns fabricantes franceses e como competidor no final da década de 80 até o final de sua produção.

Jipes: Volkswagen Iltis

No final da década de 60, o Exército alemão procurava um susbtituto para o DKW MUNGA (o nosso DKW Candango), e isso resultou no projeto Europa Jeep, onde vários países europeus cooperaram para montar um veículo multitarefa 4×4, mas foi descartado por ser caro demais e de difícil desenvolvimento, e a Volkswagen após ter comprado a DKW desenvolveu um modelo baseado no MUNGA, com suspensões melhoradas e um sistema de tração nas quatro rodas que deu origem ao sistema quattro da Audi. Foi fabricado de 1978 até 1988, o VW Iltis teve sucesso como veículo militar e como civil.

Jipes: JPX Montez

O JPX Montez na verdade era uma versão brasileira do Auverland A3, modelo que forncecia várias partes em comum, como motor, transimissão e eixos. Sendo fabricados no Brasil a carroceria, chassi, e algumas peças que eram compartilhadas de outros carros. Foi fabricado de 1994 até 2001, tendo algumas modificações como instalação de turbo no motor para ganhar mais potência, já que o motor original era fraco demais para o carro, o que ocasionou superaquecimento no carro, isso somado à falhas de comunicação entre a fábrica e os concessionários resultaram em uma reputação negativa do carro, sendo chamado de “Chaleira de trilha” e também acarretando em ações movidas contra a empresa. Os problemas de aquecimento foram sanados no modelo de 2000, mas a JPX já estava em crise.

Jipes: ENGESA E4

Foi o primeiro jipe brasileiro, a ser produzido em escala, sendo substituto dos Jeep Willys/Ford em uso nas forças armadas. Fabricados entre 1986 até 1988 (Fase 1) e, de 1988 até 1993(fase 2 e 3, também conhecido como Jordânia), pela ENGESA, uma fábrica especializada em veículos militares, e por isso, era muito robusto e confiável. Após a falência da ENGESA no início dos anos 90 por problemas econômicos, em 1998 dois empresários compraram algumas carrocerias, e o ferramental da produção para criar o Envesa (uma versão moderna do E4), além se servir de inspiração para o Agrale Marruá. O que prova o quão amado e querido esse 4×4 é pelos jipeiros brasileiros.